APRESENTAÇÃO DO CANAL

0

New Horizons "capturou" objeto distante no Cinturão de Kuiper!

terça-feira, 8 de dezembro de 2015.
A sonda New Horizons, da NASA, capturou recentemente as imagens mais próximas, nunca antes realizadas, de um objeto distante do Cinturão de Kuiper, demonstrando sua capacidade de observar inúmeros desses organismos ao longo dos próximos anos, isto se, a NASA aprovar uma missão prolongada no Cinturão de Kuiper.

Neste curto espaço de animação, que consiste em quatro quadros capturados pelo "Long Range Reconnaissance Imager" (Lorri) da sonda, em 2 de novembro, e espaçadas de uma hora de distância, o corpo, oficialmente chamado de 1994 JR1, está movendo-se contra um fundo de estrelas. 

Quando essas imagens foram feitas, 1994 JR1 estava a 280 milhões de quilômetros de distância da New Horizons. 

Os cientistas da missão planejam usar imagens como essas para estudarem os diversos e mais antigos objetos do Cinturão de Kuiper, se uma missão estendida for aprovada. 

A sonda New Horizons voou através do sistema de Plutão em 14 de julho, fazendo as primeiras observações de grande plano de Plutão e sua família de cinco luas. 

A espaçonave está em curso para um voo rasante de um outro objeto do Cinturão de Kuiper, 2014 MU69, em 01 de janeiro de 2019.


Leia Mais ►
0

O céu noturno de Dezembro de 2015

Vídeo muito interessante no aprendizado do reconhecimento do céu, além de ser útil também para podermos contemplar o céu noturno como é visto do hemisfério norte.

Vídeo: Céu Noturno - Hemisfério Norte - Mês: Dezembro/15
Leia Mais ►
0

New Horizons termina manobra histórica no Cinturão de Kuiper!

segunda-feira, 9 de novembro de 2015.
A NASA confirmou que a sonda New Horizons realizou com sucesso a última de quatro correções de curso destinados a culminar em um encontro com um objeto do Cinturão de Kuiper um bilhão de milhas além de Plutão em 2019. 

A mudança de curso destina-se a enviar a New Horizons em um sobrevoo potencial de 2.014 MU69, um planetoide localizado cerca de um bilhão de milhas além da órbita de Plutão. 

A sonda espacial vai levar mais de três anos para chegar a esse remanescente congelado dos primeiros anos do Sistema Solar.

Tecnicamente 2014 MU69 é um pequeno objeto do Cinturão de Kuiper, apelidado de "PT1" ou "potencial alvo 1" pela equipe de New Horizons. 

De acordo com a NASA, tem menos de 45 km de diâmetro, mas é 10 vezes maior e 1.000 vezes mais maciço que um cometa típico. 

É este tamanho pequeno que aguça o interesse dos cientistas, que consideram PT1 um bloco de construção restante do Sistema Solar que tem sido preservado na fria escuridão do espaço profundo e não mudou muito em 4,6 bilhões de anos.

Prevê-se que a sonda espacial passe pelo planetoide em 1 de Janeiro de 2019. 

Leia Mais ►
0

O céu noturno de Novembro de 2015

terça-feira, 3 de novembro de 2015.
Vídeo muito interessante no aprendizado do reconhecimento do céu, além de ser útil também para podermos contemplar o céu noturno como é visto do hemisfério norte.

Vídeo: Céu Noturno - Hemisfério Norte - Mês: Novembro/15
Leia Mais ►
0

O que tem feito os cientistas ficarem assim tão "amarradões" em Encélado? E mais.... Hoje, 28 de outubro de 2015, a sonda Cassini faz um voo audaz através da famosa pluma da lua!

quarta-feira, 28 de outubro de 2015.
No final de 2015, a sonda Cassini da NASA está fazendo seus últimos três voos rasantes sobre Encélado, a pequena lua que surpreendeu os cientistas com a revelação de que abriga um oceano global localizado sob sua concha gelada, a presença de gêiseres ativos de alimentação de água-gelo em um dos anéis de Saturno, e o primeiro e tentador sinal de atividade hidrotermal fora da Terra. 

Todas essas descobertas têm "elevado" o status de Encélado para ser um dos principais destinos futuros de exploração e busca de sinais de vida potencial fora da Terra.

Veja com detalhes seus últimos três voos a Encélado:

Em 14 de outubro de 2015, Cassini teve como missão obter as melhores vistas "ainda" das regiões polares no norte da lua durante seu voo rasante, a uma altitude de 1.839 quilômetros.

Hoje, 28 de outubro de 2015, a Cassini fará um voo audaz através do famoso jato de água que se eleva da lua para o espaço, sobrevoando-a apenas 48 quilômetros acima do pólo sul O sobrevoo é o mergulho mais profundo da Cassini através dos jatos. O encontro permitirá que a Cassini obtenha as medições mais precisas da composição do jato de água, e ter novos "insights" sobre o oceano que está por baixo do gelo.

Em 19 de dezembro de 2015, ela fará seu sobrevoo final e vai permitir que a sonda meça o fluxo de calor do interior da Lua, a uma altitude de 4.999 quilômetros.

Entenda melhor:

Encélado é um pequeno "mundo oceano" coberto de gelo. É uma das mais de 60 luas confirmadas em órbita de Saturno. 

É 25 vezes menor que a Terra e está quase 10 vezes mais longe do que o Sol, mas nos últimos anos, tem dado aos cientistas muitas razões para pensarem que ela deva ser o próximo alvo em nossa busca por mundos onde poderia existir vida extraterrestre. 

Então, o que tem feito os cientistas ficarem assim tão interessados em Encelado? 

Aqui estão algumas das descobertas mais intrigantes sobre Encélado usando dados da sonda Cassini da NASA.

  1. Descoberta da pluma de Encélado e seu impacto sobre o sistema de Saturno
  2. A prova da existência de fontes hidrotermais
  3. A detecção de um oceano global sob a crosta gelada de Encélado
  4. Estrutura de Pluma mapeada 
  5. Descoberta que a pluma de Encélado fornece o anel E de Saturno
  6. A prova de que a estrutura interior de Encélado é diferenciada
  7. Descoberta de "listras de tigre" de Encélado e sua superfície jovem
  8. A descoberta de moléculas orgânicas na pluma: Os jatos parecem conter partículas salgadas, moléculas orgânicas e gelo de amoníaco. Partículas de gelo salgado dominam a massa da pluma de Encélado, indicando a presença de uma interface entre um oceano e um núcleo rochoso.  
  9. Detecção de íons negativos e poeira "nanograin" carregada negativamente.O espaço ambiente de plasma na proximidade de Encélado mostra-se ser mais complicado do que aqueles dos plasmas tradicionais dominados pelos elétrons e íons de hidrogênio carregados positivamente. 
  10. Densidade 10. Pluma derivada de ocultações ultravioleta das estrelas. O escurecimento das estrelas à medida que passam por trás da pluma, do ponto de vista da Cassini, fornece uma medida da densidade e variação de gás e poeira na pluma.
Leia Mais ►
0

Hoje, poderemos observar o máximo da chuva de meteoros Orionídeas!

quarta-feira, 21 de outubro de 2015.
Hoje, 21 de outubro, poderemos observar o máximo da chuva de meteoros Orionídeas, que estará visível a partir das 22h30, com uma previsão de até 20 meteoros por hora.

Esta chuva de meteoros ocorre todos os anos nesta mesma época, quando a Terra, em seu caminho ao redor do Sol, passa pelos restos do cometa Halley.

Orionideas pode ser observada a olho nu, mas para que isso seja possivel é preciso que o céu esteja limpo, sem nuvens, sem poluicao luminosa. 

Quanto mais escuro estiver o local da observação melhor!

Os meteoros parecem provir da constelação de Órion e é por isto que leva este nome.

A Chuva continuará até o dia 29 de outubro, mas a quantidade de meteoros diminuirá no decorrer dos dias..
Leia Mais ►
0

O Céu Noturno de Outubro de 2015

quarta-feira, 7 de outubro de 2015.
Vídeo muito interessante no aprendizado do reconhecimento do céu, além de ser útil também para podermos contemplar o céu noturno como é visto do hemisfério norte.


Vídeo: Céu Noturno - Hemisfério Norte - Mês: Outubro/15
Leia Mais ►
0

As estações da Terra vão mudar amanhã!

terça-feira, 22 de setembro de 2015.
As estações vão mudar amanhã, 23 de setembro, com o Hemisfério Sul se movendo de inverno para primavera e o Hemisfério Norte entrando no outono.

O evento celeste que marca essa transição é chamado de "equinócio" (do latim aequinoctìum, 'igualdade dos dias e das noites'), e acontece duas vezes por ano, a primeira em torno de 21 de Março e a seguinte em torno de 21 de setembro.

A Terra é tão grande que sua massa tem um efeito giroscópico extremamente poderoso. Por este motivo, os seus polos sempre apontam na mesma direção, embora um grande terremoto possa causar pequenas oscilações neste eixo.

Mais importante ainda, o movimento da Terra em torno do Sol não tem absolutamente nenhum efeito sobre a direção em que os eixos dos polos estão apontando, mas tem consequências muito importantes para estações terrestres.

Os astrônomos marcam as posições dos objetos no céu em relação aos polos de rotação da Terra. A linha mais importante é o equador celeste, que divide o céu em dois hemisférios norte e sul (a linha azul que você vê na imagem)

O eixo de rotação da Terra está inclinado 23,4 graus em relação ao plano de sua órbita. Esta inclinação é sempre para o mesmo ponto no céu, o chamado polo celestial, não importa por onde a Terra passe.

Esta inclinação faz com que pareça, para qualquer observador da superfície da Terra, que o Sol está se movendo pelo céu em um ângulo pendente para o equador celeste. Este é marcado pela linha vermelha na imagem, a "eclíptica", porque eclipses acontecem ao longo desta linha.

Duas vezes por ano, o Sol cruza o equador celeste, movendo-se a partir do Hemisfério Norte para o Hemisfério Sul, ou vice-versa. Estes dois cruzamentos são muito importantes para os habitantes da Terra, porque eles marcam a mudança na direção dos raios do Sol , quando “tocam” a Terra.

Especificamente, amanhã, o Sol vai passar do hemisfério norte para o hemisfério sul. Ele vai passar por cima (em todos os lugares) ao longo do equador da Terra nesta data, e o Sol vai nascer exatamente à leste e se pôr exatamente à oeste. Os dias e as noites também terão comprimento aproximadamente igual. ("Equinox" é derivado do latim e significa "noite igual").

Depois de amanhã, o Sol vai brilhar mais na metade sul do nosso planeta e menos na metade norte. 

O Sol vai continuar em seu caminho em direção ao sul aproximadamente nos próximos três meses, atingindo o seu ponto mais ao sul em 21 de dezembro, a data do "solstício". 

No Hemisfério Norte, os dias serão mais curtos, as noites mais longas, e as temperaturas mais frias durante estes próximos três meses de caminhada.

É sempre importante lembrar que este evento faz parte de um ciclo, e que depois de 21 de dezembro, o Sol começar a se mover em direção ao norte novamente.
Leia Mais ►
0

Rosette uma das nebulosas de emissão mais maciças conhecidas!

segunda-feira, 14 de setembro de 2015.
A nebulosa Roseta é uma nebulosa de emissão, uma grande região de formação de estrelas na constelação Monoceros, o Unicórnio.

É uma grande nuvem de gás e poeira que se encontra perto de uma grande nuvem molecular, e está intimamente associada com o aglomerado aberto NGC 2244, cujas estrelas se formaram a partir da matéria da nebulosa nos últimos cinco milhões de anos.

A aparência do Rosette (ou Roseta), em luz óptica, se assemelha a uma rosa ou a uma roseta, que é um desenho estilizado de flor usado em esculturas desde os tempos antigos, que apareceu na Mesopotâmia e foi usado para decorar pedras funerárias na Grécia Antiga, tendo mais tarde sido adotado na arquitetura românica e renascentista.

O aglomerado aberto NGC 2244 pode ser visto com binóculos, mas para observar a nebulosa, é preciso um telescópio com uma ampliação baixa e muito boas condições de visualização, sem poluição luminosa.

A cor vermelha da nebulosa não pode ser vista, somente capturada fotograficamente.

A nebulosa Roseta tem uma magnitude aparente de 9,0 e está a cerca de 5.200 anos-luz de distância da Terra.

Tem cerca de 65 anos-luz de raio, significativamente maior do que a famosa Nebulosa de Orion (M42), em Orion, que tem apenas 12 anos-luz de raio, mas muito mais próxima de nós (1.344 anos-luz).

Existem outras designações para a nebulosa Roseta: Caldwell 49, SH 2-275, e CTB 21.

A nebulosa Roseta contém jovens estrelas muito quentes em sua região central. O gás circundante destas estrelas tem uma temperatura de 6 milhões de kelvins e como resultado as estrelas emitem quantidades intensas de radiação de raios X.

A nebulosa tem várias denominações no novo Catálogo geral "New General Catalogue": NGC 2237 (aglomerado), NGC 2238 (aglomerado), NGC 2239 (nome obsoleto para NGC 2244) e NGC 2246, que são todas as partes da região nebulosa, enquanto NGC 2244 é o aglomerado aberto brilhante localizado dentro da nebulosa.

A massa estimada da nebulosa é de cerca de 10 mil massas solares, o que torna a Roseta uma das nebulosas de emissão mais maciças conhecidas.

A nebulosa Roseta foi descoberta por pedaços, pois é um objeto difícil de observar, mesmo em telescópios maiores.

O astrônomo Inglês John Herschel descobriu a parte designada por NGC 2239, o alemão Albert Marth descobriu NGC 2238, e o astrônomo americano Lewis Swift foi o primeiro a observar NGC 2237 e NGC 2246.

Crédito da imagem: X-ray (NASA/CXC/SAO/J. Wang et al), Optical (DSS & NOAO/AURA/NSF/KPNO 0.9-m/T. Rector et al)
Leia Mais ►
2

Qual é a diferença entre um Eclipse Solar e um Eclipse Lunar?

domingo, 13 de setembro de 2015.
Hoje, partes do Atlântico Sul e da África do Sul experimentaram um eclipse solar parcial. 

Gráfico que mostra as regiões que puderam
ver o eclipse solar parcial de hoje
Um eclipse acontece quando um planeta ou uma lua fica no caminho da luz de um Sol. 

Aqui na Terra, podemos experimentar dois tipos de eclipses: os eclipses solares e os eclipses lunares. 

Mas afinal, Qual é a diferença entre eles?

Eclipse Solar

Um eclipse solar ocorre quando a lua fica no caminho da luz do Sol e lança sua sombra sobre a Terra.



Isso significa que durante o dia, a lua se move, e se posiciona entre o Sol e a Terra, bloqueiando sua luz, e o Sol por consequência disto fica escuro, para observadores da Terra afortunados.

Há quem pergunte: Não é estranho que ele fique escuro no meio do dia?


Este tipo de eclipse, o total, acontece uma vez a cada ano e meio em algum lugar naTerra.

Nesta imagem, a lua está encobrindo o Sol 
ao meio do dia. Este eclipse solar total
foi visível a partir da ponta norte da 
Austrália em 13 de Novembro de 2012. 
(Nasa/Romeo Durscher)


Prevê-se que em agosto de 2017, um eclipse solar total ocorra e que possa ser visto por toda a América Central. 

Mas nem todo mundo experimenta um eclipse solar. Ter a chance de ver um eclipse solar total é rara!

A sombra da Lua projetada na Terra não é muito grande, portanto, apenas observadores de uma pequena porção de lugares da Terra podem vê-la.

Para conseguir ver um eclipse, você tem que estar no lado ensolarado do nosso planeta, quando isso acontece, e também tem que estar no caminho da sombra da Lua.

Em média, o mesmo lugar na Terra só consegue vivenciar um eclipse solar por alguns minutos a cada 375 anos!

Já um eclipse parcial, quando a Lua não cobre totalmente o Sol, acontece pelo menos duas vezes por ano em algum lugar na Terra.

IMPORTANTE: Nunca olhe diretamente para o Sol, nem por um segundo! Ele irá danificar a sua visão para SEMPRE!

Para ver um eclipse solar, é necessário usar óculos especiais de visualização solares. Você pode obtê-los através de uma loja que venda câmeras/telescópios online. Aqueles Óculos de Solda também irão funcionar.

ÓCULOS DE SOL NÃO SERVEM, mesmo se você EMPILHAR MUITOS DELES JUNTOS NO SEU NARIZ!!!


Eclipse Lunar

Durante um eclipse lunar, a Terra fica no caminho da luz do Sol que chega até a Lua. (Quando não há este tipo de eclipse, esta luz chega até a Lua, reflete na superfície dela, e dá a nítida impressão que a Lua tem brilho próprio). 

Isso significa que, durante uma noite de Lua cheia, ela desaparece devido a sombra da Terra.

A lua também pode ficar avermelhada porque a atmosfera da Terra absorve as outras cores ao mesmo tempo que cobre alguma luz solar que iria em direção à Lua.

A luz solar quando passa através da atmosfera da Terra também sofre com a flexão e absorção de outras cores, e é por isso que o pôr do sol é laranja e vermelho.
Nesta imagem, a Lua parece vermelho-alaranjado em um
 eclipse lunar total em 27 de outubro de 2004

Não se esqueça da diferença! 

Uma dica é prestar atenção no nome! O nome diz-lhe o que fica mais escuro quando o eclipse acontece!

Em um eclipse solar, o Sol fica mais escuro. Em um eclipse lunar, a Lua fica mais escura.

Fonte: NASA

Leia Mais ►
0

O Céu Noturno de Setembro de 2015

domingo, 6 de setembro de 2015.
Vídeo muito interessante no aprendizado do reconhecimento do céu, além de ser útil também para podermos contemplar o céu noturno como é visto do hemisfério norte.



Vídeo: Céu Noturno - Hemisfério Norte - Mês: Setembro/15
Leia Mais ►
0

Um dos maiores Aglomerados Globulares da Grande Nuvem de Magalhães!

sexta-feira, 28 de agosto de 2015.
Mostrado aqui nesta nova nova imagem capturada pela "Advanced Camera for Surveys" (ACS) a bordo do telescópio espacial Hubble da NASA / ESA, é o aglomerado globular NGC 1783. 

Este é um dos maiores aglomerados globulares da Grande Nuvem de Magalhães, uma galáxia satélite da nossa galáxia, a Via Láctea, localizada na constelação austral Dorado.

NGC 1783 foi primeiramente observado por John Herschel em 1835, está a cerca de 160 mil anos-luz da Terra, e tem uma massa de cerca de 170.000 vezes a do nosso Sol.

Aglomerados globulares são conjuntos densos de estrelas que são mantidas juntas por sua própria gravidade, que orbitam em torno de galáxias como satélites. 

A imagem mostra claramente a forma simétrica de NGC 1783 e a concentração de estrelas no centro, características estas típicas de aglomerados globulares.

Ao medir a cor e o brilho das estrelas individuais, os astrônomos podem deduzir uma idade geral para um aglomerado e uma "foto" de sua história de formação estelar. 

Pensa-se que NGC 1783 tenha menos que 1 e 1/2 bilhões de anos de idade, o que é considerado muito jovem para aglomerados globulares, que têm tipicamente vários bilhões de anos de idade. 

Créditos a: ESA / Hubble e NASA

Saiba mais sobre Astronomia em nossos Canais:
Leia Mais ►
0

Monte Olimpo, o maior Vulcão do Sistema Solar!

sexta-feira, 21 de agosto de 2015.
O maior dos vulcões de Marte na região de "Tharsis Montes"*, bem como todos os vulcões até então conhecidos do Sistema Solar, é o Monte Olimpo (Olympus Mons). 

O Monte Olimpo é um vulcão de 624 km de diâmetro (aproximadamente do mesmo tamanho que o estado do Arizona), e de 25 km de altura, e é margeado por uma escarpa** de 6 km de altura. 


A caldeira de 80 km de largura está localizada no cume do Monte Olimpo. Para se ter uma ideia, o maior vulcão da Terra é o Mauna Loa. Mauna Loa é um vulcão de 10 km de altura e de 120 km de diâmetro. 

O volume do Monte Olimpo é cerca de 100 vezes maior do que o de Mauna Loa. Na verdade, toda a cadeia de ilhas havaianas (a partir de Kauai para o Havaí) caberia dentro do Monte Olimpo!

Porque o Monte Olimpo é tão grande?

A principal diferença entre os vulcões de Marte e da Terra é o seu tamanho; vulcões na região de Tharsis de Marte são 10 a 100 vezes maiores do que aqueles em qualquer lugar na Terra. 

Os fluxos de lava na superfície marciana são observados serem muito maiores, provavelmente devido a um resultado de taxas de erupção mais elevados e de menor gravidade de superfície.

Outra razão pela qual os vulcões em Marte são tão grandes é porque a crosta de Marte não se move da mesma forma como ela faz na Terra. 

Na Terra, os pontos quentes permanecem estacionários, mas placas da crosta estão se movendo acima deles. 

As ilhas havaianas resultam do movimento para noroeste da placa do Pacífico ao longo de um "hotspot" que produz lava estacionária. 

Como a placa se move sobre o "hotspot", novos vulcões são formados e os já existentes extintos. 

Este, distribui o volume total de lava entre muitos vulcões em vez de um único e grande vulcão. Em Marte, a crosta permanece estacionária e a lava se acumula em um única e muito grande vulcão.


*Tharsis Montes é a maior região vulcânica de Marte, tem cerca de 4.000 km de diâmetro, 10 km de altura, e contém 12 grandes vulcões. Os maiores vulcões da região de Tharsis são 4 vulcões chamados "Ascraeus Mons", "Pavonis Mons", "Arsia Mons" e "Olympus Mons". 


** Escarpa é uma elevação súbita do solo, superior à 45º,caracterizada pela formação de um penhasco ou uma encosta íngreme. A superfície desta encosta íngreme chamada de ¨rosto da escarpa¨. As escarpas são geralmente formadas pela erosão de rochas sedimentares ou pelo movimento vertical da crosta terrestre, ao longo de uma falha geológica.O termo escarpa vem do italiano ¨scarpa¨ e também é chamado de falésia.

Saiba mais sobre Astronomia em nossos Canais:
Leia Mais ►
0

Nasa afirma que não há ameaca de um suposto asteróide que irá impactar com a Terra!

quinta-feira, 20 de agosto de 2015.
Inúmeras publicações recentes de blogs e sites da web estão erroneamente afirmando que um asteróide vai impactar com a Terra, em algum momento entre 15 e 28 de setembro de 2015. 

Em uma dessas datas, como os rumores afirmam, haverá um impacto - "evidentemente" perto de Porto Rico - causando destruição nas costas do Atlântico e do Golfo dos Estados Unidos e México, bem como a América do Sul e a Central. 

"Não há nenhuma base científica, e não há um traço de evidência se quer, de que um asteróide ou qualquer outro objeto celeste impactará com a Terra nestas datas", disse Paul Chodas, gerente da "NASA's Near-Earth Object office" no "Jet Propulsion Laboratory" em Pasadena, Califórnia. 

Na verdade, o programa de observações "Near-Earth Object", da NASA, diz não haver asteróides ou cometas observados que afetam a Terra em qualquer momento em um futuro previsível.

Segundo eles, todos os asteróides conhecidos, potencialmente perigosos, tem uma chance menor de 0,01% de impactar com a Terra nos próximos 100 anos.

Saiba mais sobre Astronomia em nossos Canais:
Leia Mais ►
0

O Céu Noturno de Agosto de 2015

segunda-feira, 10 de agosto de 2015.
Vídeo muito interessante no aprendizado do reconhecimento do céu, além de ser útil também para podermos contemplar o céu noturno como é visto do hemisfério norte.



Vídeo: Céu Noturno - Hemisfério Norte - Mês: Agosto/15

Saiba mais sobre Astronomia em nossos Canais:
Leia Mais ►
2

Voyagers - The Final Frontier! As gêmeas Voyager 1 e 2 têm ido corajosamente onde nenhuma outra Sonda tinha ido antes!

segunda-feira, 20 de julho de 2015.
As naves gêmeas Voyager 1 e 2 estão explorando onde não se tinha ido antes!

Ambas, continuam em suas jornadas de mais de 37 anos desde seus lançamentos em 1977, e cada uma delas atualmente estão muito mais longe do que Plutão.

A Voyager 1 e sua irmã gêmea, a Voyager 2, foram lançadas com 16 dias de intervalo uma da outra, em 1977. Ambas as sondas passaram por Júpiter e Saturno. Já, a Voyager 2 também passou por Urano e Netuno.

As sondas ainda estão ativas e continuam enviando informações científicas sobre seus arredores através da Deep Space Network, ou DSN.

Mas, As Voyagers não pararão tão cedo, já que ambas têm energia elétrica suficiente e combustível propulsor para operarem pelo menos até 2020.

E corroborando com isto, agora as aventureiras tem uma nova Missão, a Missão Interestelar Voyager (VIM).


O objetivo desta missão é estender a exploração da NASA além do sistema solar, do "bairro" dos planetas exteriores para o limite exterior da esfera de influência do Sol, e possivelmente ir além.


É conveniente considerar a missão VIM como três fases distintas: o choque de terminação, exploração da heliosfera e fases de exploração interestelar.

O VIM é uma extensão da missão primária Voyager que foi concluída em 1989 com o voo rasante da sonda Voyager 2 por Netuno. Netuno foi o último planeta exterior visitado por uma sonda Voyager.

A missão principal da Voyager 1 era a exploração de Júpiter e Saturno. E ela completou os seus voos rasantes planejados próximo dos sistemas planetários de Júpiter e de Saturno, depois de fazer uma série de descobertas lá, tais como vulcões ativos na lua de Júpiter Io, e as complexidades dos anéis de Saturno, a missão foi prorrogada.

Enquanto a Voyager 2, foi além de seus próprios voos rasantes planejados, perto de Júpiter e Saturno, e efetuou voos rasantes perto dos dois gigantes gasosos, Urano e Netuno, e ainda é a única espaçonave que visitou esses planetas exteriores.

Para se ter uma ideia, em fevereiro de 2015, a Voyager 1 estava a uma distância de 19,5 bilhões de quilômetros (130,5 UA) do Sol e  a Voyager 2, a uma distância de 16 bilhões de quilômetros (107 UA).

Atualmente, a Voyager 1 está escapando do sistema solar a uma velocidade de cerca de 3,6 UA por ano, com uma inclinação de 35 graus para fora do plano da eclíptica para o norte, na direção geral da Apex Solar (A direção do movimento do Sol em relação a estrelas próximas).

Por sua vez, a Voyager 2 também está escapando do sistema solar, a uma velocidade de cerca de 3,3 UA por ano, com 48 graus de inclinação para fora do plano da eclíptica para o sul.

Para recapitularmos um pouco, em agosto de 2012, a Voyager 1 fez a histórica entrada no espaço interestelar, a região entre as estrelas, cheio de material ejetado nas proximidades pela morte de estrelas de milhões de anos. 

Os cientistas esperam aprender mais sobre esta região quando a Voyager 2, entrar no "heliosheath", a camada mais externa da heliosfera, onde o vento solar é desacelerado pela pressão do meio interestelar, que também atinge o espaço interestelar.

Esta missão que foi prolongada, continua a caracterizar o ambiente do sistema solar exterior e a procurar o limite da heliopausa, os limites exteriores do campo magnético do Sol, e o fluxo exterior do vento solar.

As Voyagers estão indo em direção ao limite exterior do sistema solar em busca da heliopausa, a região onde a influência do Sol diminui e o início do espaço interestelar pode ser sentida.


A heliopausa nunca foi alcançada por quaisquer outras sondas; e as Voyagers podem ser as primeiras a passar por esta região, que é pensado existir, em algum lugar, entre 8 a 14 bilhões de milhas do Sol.

Prevê-se que as Voyagers devam cruzar a heliopausa daqui a 10 ou 20 anos.

Nesta época , a Voyager 1 estará a 22,1 bilhões de km do Sol, e a Voyager 2,  a 18,4 bilhões de km.

Eventualmente, as Voyagers passarão por outras estrelas.

Daqui a 40 mil anos, a Voyager estará a 1,6 anos-luz da AC + 79 3888, uma estrela na constelação de Camelopardalis que está caminhando na direção da constelação Ophiuchus.

Por sua vez, daqui a 40 mil anos, a Voyager 2 vai passar a 1,7 anos-luz da estrela Ross 248, e em cerca de 296 mil anos, ela vai passar a 4,3 anos-luz a partir de Sirius, a estrela mais brilhante no céu. 

As Voyagers estão destinadas, talvez eternamente, a vagar pela Via Láctea.


Saiba mais sobre Astronomia em nossos Canais:
Leia Mais ►
0

Vistas de Plutão ao longo dos anos!

quarta-feira, 15 de julho de 2015.


Saiba mais sobre Astronomia em nossos Canais:
Leia Mais ►
0

Surpreendente, jovem e variado terreno de Caronte!

A faixa de penhascos e vales se estende por cerca de 1.000 quilômetroS, a partir da esquerda para a direita, o que sugere uma fratura generalizada na crosta da Lua, provavelmente um resultado de processos internos.

No canto superior direito, ao longo da borda curva da lua, há um canyon com profundidade estimada em 7-9 quilômetros.

Os cientistas da missão estão surpresos com a aparente falta de crateras em Caronte. Ao Sul do equador da Lua, na parte inferior desta imagem, o terreno é iluminado pelos raios oblíquos do sol, criando sombras, o que tornam mais fácil distinguir a topografia.

Mesmo nesta imagem, no entanto, relativamente poucas crateras são visíveis, indicando uma superfície relativamente jovem que foi remodelada por atividade geológica.

Na região polar norte de Caronte, uma marcação escura de destaque presentes em imagens de aproximação da New Horizons é agora vista como tendo um limite difuso, o que sugere que é um depósito fino de material escuro.

A imagem foi compactada para reduzir o tamanho do arquivo antes da transmissão para a Terra.

Saiba mais sobre Astronomia em nossos Canais:
Leia Mais ►
0

Análises Espectrais revelam diferenças na presença de gelo de metano em regiões distintas de Plutão.

Os últimos espectros realizados pelo instrumento Ralph da New Horizons revelam uma abundância de gelo de metano com diferenças marcantes de um lugar para outro em toda a superfície congelada de Plutão.

"Acabamos de aprender que na calota polar norte, o gelo de metano é diluído em uma laje espessa transparente de gelo de azoto resultando em uma forte absorção de luz infravermelha", disse  o co-investigador Will Grundy da New Horizons.

"Em uma das manchas escuras visualmente equatoriais, o gelo de metano tem absorções curtas de infravermelho, o que são indicativos de uma textura muito diferente."

Neste gráfico, a luz azul corresponde a faixa de comprimentos de onda que vai de 1,62 a 1,70 micrômetros, uma faixa que cobre uma banda de absorção médio-forte de gelo de metano.

Já o verde (1,97-2,05 micrômetros) representa uma faixa onde o gelo de metano não absorve luz, e o vermelho (2,30-2,33 micrômetros) é um canal onde a luz é fortemente absorvida pelo gelo de metano.

Os astrónomos já sabiam, desde 1976, da existência de metano no planeta anão, mas só agora foi possível detectar as diferencas da presença de gelo de metano de uma parte para outra da superfície de Plutão.

Um exemplo terrestre semelhante de diferentes texturas de uma substância congelada: um banco de neve fofa limpa é branco brilhante, mas o gelo polar compactado parece azul.

Com isto, a equipe da New Horizon começou o intrincado processo de análise de dados do instrumento Ralph para determinar as composições detalhadas das regiões distintas de Plutão.



As observações foram feitas em três comprimentos de onda de luz infravermelha, que são invisíveis para o olho humano.

Saiba mais sobre Astronomia em nossos Canais:
Leia Mais ►
0

A dança de Plutão e de Caronte!

sábado, 4 de julho de 2015.
Filme criado a partir dos dados enviados pela sonda New Horizons!

Ele revela características da cor da superfície de Plutão e da sua maior lua Caronte. 


Saiba mais sobre Astronomia em nossos Canais:
Leia Mais ►
0

O "outro" planeta vermelho!


Qual é a cor de Plutão? 

A resposta revelada nos primeiros mapas feitos a partir dos dados enviados pela New Horizons, acabam de revelar que o planeta-anão  tem tons de marrom avermelhado.

Embora esta é uma reminiscência de Marte, a causa deste fato é quase que certamente muito diferente.

Em Marte o agente de coloração é o óxido de ferro, vulgarmente conhecido como ferrugem. 

Ja, no planeta-anão Plutão, a cor avermelhada é provavelmente causada por moléculas de hidrocarbonetos que são formadas quando os raios cósmicos e a luz solar ultravioleta interagem com o metano na atmosfera de Plutão e em sua superfície.

"A cor avermelhada de Plutão tem sido conhecida há décadas, mas a New Horizons está agora nos permitindo correlacionar a cor de lugares diferentes da superfície com a sua geologia, e em breve, com suas composições,"

"Isto tornará possível construir modelos de computador sofisticados para entender como Plutão evoluiu até chegar a sua aparência atual."

....disse Alan Stern, o Investigador Principal do Instituto de Pesquisa Southwest, em Boulder, Colorado.


Saiba mais sobre Astronomia em nossos Canais:
Leia Mais ►
0

O Céu Noturno de Julho de 2015

quinta-feira, 2 de julho de 2015.

Vídeo muito interessante no aprendizado do reconhecimento do céu, além de ser útil também para podermos contemplar o céu noturno como é visto do hemisfério norte.



Vídeo: Céu Noturno - Hemisfério Norte - Mês: Julho/15

Saiba mais sobre Astronomia em nossos Canais:
Leia Mais ►
0

Novas imagens da New Horizons revelam duas faces distintas de Plutão.


Plutão tem dois lados notavelmente diferentes nessas imagens coloridas do planeta e de sua maior lua Caronte capturadas pela New Horizons em 25 de junho e 27 de junho.

A imagem a esquerda de cada foto, mostra a face de Plutão que será vista, em resolução mais alta, quando a New Horizons fizer sua aproximação ao sistema em 14 de julho.

A imagem da direita é do lado que "enfrenta" Caronte, a característica mais dramática deste lado de Plutão é uma fileira de manchas escuras dispostas ao longo do equador.

O hemisfério é dominado por uma região muito escura que se estende ao longo do equador.


Saiba mais sobre Astronomia em nossos Canais:
Leia Mais ►
 
As Maravilhas do Céu Estrelado © 2005 - todos os direitos reservados para o autor: Engº João Batista Salgado Loureiro | Template By Mundo B |