APRESENTAÇÃO DO CANAL

A nebulosa da Formiga!

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014.

Planetary nebulas - so called because some of them resemble a planet when viewed through a small telescope - are produced in the late stages of a sun-like star's life. This image shows Chandra's view of Menzel 3 (Mz3, also known as the Ant Nebula), a planetary nebula about 3,000 light years from Earth. Dynamic elongated clouds envelop bubbles of multimillion degree gas produced by high-velocity winds from dying stars.A nebulosa da Formiga é uma nebulosa planetária recém-formada na nossa galáxia Via Láctea.

Uma nebulosa planetária recém-formada, assim denominada, devido à sua semelhança com um planeta quando observado através de um telescópio pequeno, é produzida nos últimos estágios de vida de uma estrela como o  Sol.

Mz3 é uma nebulosa planetária que está a  cerca de 3.000 anos-luz da Terra, na região da Constelação Austral do Esquadro (Norma).

Nuvens dinâmicas alongadas que envolvem bolhas de gás a milhões de graus que são  produzidas por ventos em alta velocidade de estrelas moribundas podem ser vistas.

Esta imagem acima, mostra a visualização de raios X do Chandra (em azul) da Menzel 3 (Mz3, também conhecida como nebulosa da Formiga), além dos dados ópticos e infra-vermelhos do Hubble (em verde e vermelho).

SAIBA MAIS SOBRE NEBULOSAS PLANETÁRIAS:

Uma nebulosa planetária é um objeto astronómico que é constituído por um invólucro brilhante em expansão de plasma e gás ionizado, que é expulso durante a fase de ramo gigante assimptótico1,  que atravessam as estrelas gigantes vermelhas nos últimos momentos de suas vidas.

O nome é devido a que os seus descobridores, no século XVIII, observaram que a sua aparência era similar aos planetas gigantes vistos através dos telescópios ópticos da época, embora realmente não tenham relação alguma com os planetas.

Trata-se de um fenômeno relativamente breve em termos astronômicos, que dura por volta de dezenas de milhares de anos (O tempo de vida de uma estrela, depende de sua massa, sua vida varia entre alguns milhões de anos (para as mais maciças) até trilhões de anos (para as menos maciças).

800px-Sun_Life

No final da vida de estrelas que atingem a fase de gigante vermelha, as camadas exteriores da estrela são expelidas devido a pulsações e a intensos ventos estelares.

Após a expulsão destas camadas, subsiste um pequeno núcleo da estrela, o qual se encontra a uma grande temperatura e com brilho intenso. A radiação ultravioleta emitida por este núcleo ioniza as camadas externas que a estrela tinha expulsado.

As nebulosas planetárias são objetos importantes em astronomia, por desempenharem um papel crucial na evolução química das galáxias, libertando ao meio interestelar metais pesados e outros produtos da nucleossíntese das estrelas (como carbono, nitrogênio, oxigênio e cálcio).

Nas galáxias afastadas, as nebulosas planetárias poderão ser os únicos objetos dos quais podem ser retirados informações acerca da sua composição química.

1 O ramo gigante assimptótico (AGB) é uma região do diagrama de Hertzsprung-Russell, que é populada por estrelas de massa moderada e baixa. Na verdade,  é um período de evolução estelar que ocorre em todas as estrelas entre 0,6 a 10 massas solares, no fim de sua vida.

Créditos: raios X: NASA/CXC/RIT/J.Kastner et al.; luz óptica/infra-vermelho: NASA/STScI/Univ. Washington/B.Balick

Comentários:

Postar um comentário

Olá! Fique a vontade para comentar!

 
As Maravilhas do Céu Estrelado © 2005 - todos os direitos reservados para o autor: Engº João Batista Salgado Loureiro | Template By Mundo B |